"Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade."
21
nov2014

O Colo de Deus


15
nov2014

O Altar é para todos

11
nov2014

Não há adoração distante do Altar


22
out2014

Carmesim


21
out2014

Vida no Altar


30
mai2010

Prova da Fé

blog30052010

1
fev2010

De Ateu a Filho de Deus!

Rafael Silvestre José, de 23 anos, era ateu desde os 17 anos. Sua postura se definiu devido a vários questionamentos que surgiam em sua mente, dentre os quais, os principais foram: por que Deus permitia que tanto mal acontecesse no mundo? Por que um Deus era mais válido que outro?

“As ações do catolicismo me causavam muita confusão: maus testemunhos de pessoas que se intitulavam cristãs, porém suas vidas não mostravam isso; seu comportamento não atuava como os ensinamentos bíblicos que eu conhecia, porque, como ateu, não acreditava na Bíblia, mas lia para encontrar nela justificativas para a minha descrença. Meus amigos pensavam como eu, aliás, muitos já tinham suas dúvidas e se assumiram ateus uma vez que eu, com os meus fundamentos, os influenciava para o ateísmo.

Minha ideia em relação à Igreja Universal do Reino de Deus era totalmente fundada nos noticiários. Nunca me dei ao trabalho de investigar melhor aquilo que ouvia. Admito que foi um dos maiores erros que eu cometi. Uma das grandes ideias que só me vinham à cabeça quanto à Igreja era dos supostos "escândalos" que havia muito tempo apareceram na televisão, em relação a dinheiro, dízimos e ofertas, o que as pessoas davam e ao uso que era dado a este dinheiro.

Há cerca de 2 meses e meio cheguei à Igreja Universal do Reino de Deus através do convite de uma pessoa muito estimada. Eu só acreditava naquilo que via, mas logo soube que esta pessoa estava possessa por espíritos malignos quando presenciei sua manifestação. Esta foi a razão para eu começar a questionar a minha postura ateísta. Será que aquilo que eu dou por certo, que é o plano material, é a única coisa que existe?

Decidi frequentar a Igreja para apoiá-la no processo de libertação. Durante as reuniões, vi esta pessoa voltar a ficar possessa, porém, através da oração de autoridade que o bispo ministrou naquele momento, a libertou e ela ficou bem. Eu mesmo cheguei a passar mal. Senti mal-estar, tremores, uma pressão sobre meu corpo como se algo me puxasse para baixo. Ver toda aquela autoridade do bispo sobre aquelas forças malignas, pôs em causa tudo o que eu acreditava. Eu quis entender de onde vinha aquele poder. As dúvidas abundavam em minha mente. Conversei com um dos membros da Igreja e este me orientou que, então, fizesse uma prova com Deus através do dízimo. Dizimei, pedi prova a Deus e tive resposta, foi impressionante. A partir de então, passei a buscar ajuda de Deus, do bispo e do pastor. Passei a ler a Bíblia para esclarecer minhas dúvidas e, pela primeira vez, comecei a encontrar respostas.

Em uma das reuniões dos Filhos de Deus, me chamou a atenção que era preciso enterrar toda uma vida pecaminosa e nascer para uma nova vida. Agora sei que sou humano e pecador, mas só em Jesus encontrei arrependimento e perdão. Decidi entregar a minha vida nas mãos de Deus e aceitei a Jesus Cristo como Senhor da minha vida. Me batizei nas águas e nEle encontrei forças para lutar contra meu eu.

Hoje, participei pela primeira vez da Santa Ceia e foi mesmo especial. Pude participar do corpo e do sangue de Cristo. Para mim, isto é experimentar ter fé. Não foi palpável, não foi material. Acredito que através destes elementos (pão e vinho) estou em Comunhão com o Corpo de Cristo.

Tudo ficou transparente na minha mente. Entendi o valor do verdadeiro sacrifício, que não é só o sacrifício em si, há muito mais por detrás do que realmente agrada a Deus, e é isso que mostra a nossa fé, desapegar-nos daquilo que nos prende ao materialismo e confiar somente em Deus. Esta é a fórmula do milagre: entregar-se e confiar plenamente em Deus, sem duvidar.

Há uma sede dentro de mim, de que o Espírito Santo me preencha por completo. Estou lutando diariamente para alcançar e vou conseguir. Hoje eu acredito!”

17
jan2010

A Cega

blog17012010

Havia uma garota cega que se odiava pelo fato de ter nascida cega. Também odiava a todos, exceto seu namorado.

Um dia, ela disse que se pudesse ver o mundo se casaria com ele. Em um dia de sorte, alguém doou um par de olhos para ela, então, seu namorado lhe perguntou: “Agora que você pode ver, você se casa comigo?”

A garota estava chocada quando ela viu que seu namorado era cego. Ela disse: “ Eu sinto muito, mas não posso me casar com você porque você é .... cego.”

O namorado, afastando-se dela, em lágrimas, disse: “Por favor, apenas cuide bem dos meus olhos. Eles eram o melhor que eu tinha.“

Nunca despreze quem lhe ama. Às vezes, as pessoas fazem certos sacrifícios e nem consideramos. Não obstante Jesus ter doado Sua vida inteira, mesmo assim, a maioria O despreza.

29
dez2009

Minha própria novela romântica

A caligrafia era perfeita, a carta parecia que estava toda coberta de ouro, meus olhos ficaram azuis. O sentimento era inexplicável. Não foi a carta em si que tornou aquele momento tão especial para mim, e sim a maneira como tudo aconteceu a partir de uma simples confiança em Deus. É como se eu estivesse sendo recompensada por dar a Ele o domínio em minha vida.

Imediatamente me lembrei do sacrifício na campanha de Israel anterior. Havia sido um anel, mas não apenas um anel de ouro, ele era o meu único anel. Meu pai tinha me dado como presente de aniversário de 15 anos. Significava muito para mim, tanto que ele era tudo o que eu tinha para sacrificar. Eu não trabalhava, não tinha nenhum dinheiro nem nada de valor.

Após colocá-lo dentro do envelope, me senti orgulhosa da minha fé de certa forma, como se eu tivesse finalmente feito algo com ela em todos aqueles anos. Eu pedi a Deus por uma coisa naquele envelope, eu queria me casar com o meu primeiro namorado, o qual viesse dEle (e de ninguém mais).

Eu era a filha do bispo, todos queriam arranjar alguém para mim. Aos olhos deles, eu estava disponível. Aos meus olhos, eu não estava. Queria que Deus me preparasse alguém porque eu sabia que escolheria uma pessoa perfeita para mim. Deus sabia das minhas expectativas e assim não seria nada mais, nada menos do que eu esperava.

Quando Renato (hoje meu marido), do nada, me escreveu aquela carta de amor, sem nem ao menos ter me conhecido ou falado comigo, foi como se Deus tivesse escrito o romance perfeito para mim.

Eu não conseguia parar de sorrir e tenho a sensação de que Deus também não.

Na fé.

Cristiane Cardoso

9
dez2009

Oferta Viva

“Minha maior prova de total entrega é que meus filhos não foram educados para receber herança nem servirem a si mesmos”

Eu viajo pelo mundo afora, mas não conheço quase nada a não ser a natureza do lugar que me apaixona toda vez. Meu hobby é tirar fotos e guardá-las no meu computador, que, por sinal, está sempre me dando problemas de memória.

Sou apaixonado pela minha esposa e não fico sem ela nem um minuto. A Ester não precisa de uma maquiagem forte, muito menos de plástica. Ela só precisa colocar o cabelo para trás e eu a acho linda! Meus filhos são o fruto do nosso amor. Tenho prazer em estar com eles, mas eles sabem que não têm herança financeira.

Eu não tenho nada e muito menos eles. Tudo que eu uso é da Igreja, e isso digo com todo prazer em meu coração. Faço o que faço para Deus, não para mim nem para minha família. Meus filhos sabem que se não usarem a fé, estarão perdidos!

Quando casei as minhas filhas, ainda bem jovens e muito inexperientes, o fiz pela fé, pois sabia que, ao casá-las com homens de Deus, tudo daria certo. Meus genros viraram filhos próprios.

Praticamente moro num avião. A Ester já consegue fazer uma mala em poucos minutos. Quando estamos quase acostumando com a diferença de horário, viajamos de novo, e a idade, nessas horas, se mostra presente.

Vibro em estar com os meus colegas na fé. Eles são mais irmãos do que outra coisa. Temos a mesma fé, o mesmo objetivo e o mesmo ideal. Somos todos iguais, participamos das mesmas alegrias e tristezas porque somos um no Senhor. Eles sabem que sou um homem como qualquer outro e, mesmo assim, me respeitam. Eles me respeitam porque veem a ação do Espírito Santo em mim.  Somos simples, somos o que somos, gostamos de ficar à vontade, de vestir roupas confortáveis sem preocupação com grifes.

Pulo como uma criança quando recebo uma revelação de Deus e não consigo guardar nem por 5 minutos. Ligo para todos e passo em frente. Eu não guardo nada na manga. O que Deus me deu, eu tenho passado e o que Ele me der, vou continuar passando para todos.

Somos idealistas. A única coisa que pedi a Deus foi ganhar almas para o meu Senhor. No mais, quem acreditar, amém! E quem não acreditar... E daí? Não dou a mínima para quem não acredita.

Minha maior prova de total entrega é que meus filhos não foram educados para receber herança nem servirem a si mesmos. Não os criei para a minha glória, mas para a dAquele que me chamou.

Nossas vidas são constantes ofertas vivas no Altar de Deus.

Deus abençoe aos que creem!

4
dez2009

Profecia, Visão e Sonhos

1

Sonhar é uma característica inerente a todo ser humano. Mas, a realização de um sonho só acontece se, antes, ele for concebido através da fé sobrenatural.

Esse tipo de fé não existe por obra do acaso. A fé sobrenatural só é alcançada por meio da meditação na Palavra de Deus. A Promessa remove a cegueira espiritual e dá à pessoa a visão da grandeza de Deus e de Sua vontade. Mas a ação humana é a chave de ignição da fé sobrenatural.

Ao longo da história da humanidade, o Espírito Santo tem protegido a autenticidade de Sua Palavra para que nem um “i” ou “til” passe sem que ela se cumpra. (Mateus 5.18) Contudo, o registro da Palavra de Deus na Bíblia não basta para que Ela se cumpra. É preciso acreditar e assumir essa Palavra, do contrário, nada acontece.

Mas, é necessário discernir o que é meramente um desejo humano do que é um sonho nascido do coração de Deus. Quando Deus nos dá um sonho também dá a fé para realizá-lo.

Ao nutrir o sonho de salvar sua família daquela geração corrupta e pagã, Noé recebeu de Deus a visão da arca e as instruções de como construí-la. Mas acreditou nessa promessa, mesmo sendo considerado louco por muitos.

Abraão sonhava ter um filho e Deus lhe deu condições físicas para realizá-lo. A situação parecia biologicamente improvável, mas Abraão acreditou e alcançou.

O profeta Elias tinha o sonho de desmascarar os profetas de Baal. Quando a oportunidade se apresentou, Deus lhe deu a devida fé para realizá-lo.

Paulo também teve o sonho de anunciar o Evangelho entre os gentios (não judeus). Deus lhe deu fé e coragem para fazê-lo.

Mas estes e todos os demais tiveram, de uma forma ou de outra, de pagar o devido preço da conquista. Não há realização de sonhos sem o sacrifício.

30
nov2009

O Sentido do Sacrifício

1

Estamos vivendo um momento muito forte, no Brasil e  no mundo, com a grande campanha da Fogueira Santa de Israel.
Para quem será meu sacrifício, e qual a minha intenção em apresentá-lo?

A raiz que da origem à palavra sacrifício é, em latim, sacer. Esta raiz tem o sentido de algo que não pode ser tocado. Daí, passou a significar: o que pertence ao mundo do divino.
Sacramentum: no início, juramento prestado a Deus;
Sacrifícium: o que é oferecido a Deus e torna-se sagrado. Ou o próprio ato de oferecimento.
O estudo das antigas civilizações revela que todos os povos ofereciam sacrifícios a Deus ou a seus falsos deuses. Em Roma, na África, na Índia, etc. Na Bíblia, o sacrifício aparece logo no início da humanidade: “Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta.”(Gênesis 4:4)

Em todos os grandes acontecimentos, os homens ofereciam sacrifícios a Deus:
Noé (Gênesis 8:20); Abraão (Gênesis 22:1); Moisés: (Êxodo 29:38 e Levítico).

O sacrifício é algo que faz parte da natureza humana. As pessoas fazem sacrifícios o tempo todo, quer para si mesmas ou para seus deuses, o que devemos observar é para quem estamos apresentando o nosso perfeito sacrifício e qual a nossa real intenção em apresentá-lo. É evidente que o sacrifício traz a resposta imediata, mas temos que entender que o sacrifício não pode ser apenas um meio de livramento ou uma petição para uma determinada situação, e sim também uma forma de obedecermos a voz de Deus e, sobretudo, adorarmos mediante a fé sacrifical que exige renúncia, e que estejamos desprovidos e despidos de toda condição humana.

Falar sobre sacrifício não é para qualquer um. A palavra sacrifício tem um peso muito grande e até mesmo assustador. Muitos líderes de igrejas levam o povo a sacrificar, através de campanhas e propósitos, mas sequer tocam na palavra sacrifício, pois muitos deles têm medo de perder seus adeptos dizimistas e ofertantes. Por isso, pregam contra a própria cruz, que é o maior significado do verdadeiro sacrifício incondicional e desinteressado, sabendo que atrairão para si os leigos desinformados, fracos e dependentes sempre de terceiros. Admiro a Igreja Universal e seu líder, bispo Edir Macedo, e faço parte deste grande exército universal, pois todos que o fazem têm experiências a respeito do sacrifício.

Todas as pessoas que chegaram à igreja nessa época, com a alma saturada, cheia de sofrimento e dor, lançaram-se de cabeça, isso porque estavam numa situação de vida ou morte e, porque não dizer, ao fio da espada, apresentaram a Deus seus sacrifícios seguidos de petição, adoração, gratidão por terem a certeza de que seriam atendidas. E o resultado a esse ato é óbvio: tiveram suas necessidades atendidas, mas, infelizmente, hoje, por estarem supridas, não enxergam a necessidade de sacrificar.

“A nossa alma está saturada do escárnio dos que estão à sua vontade e do desprezo dos soberbos.” (Salmos 123:4)

A cada campanha de fé temos amadurecido no que significa para nós o sacrifício, assim como para cada homem do passado houve um significado diferente. Para uns, adoração, para outros, petição, para outros, agradecimento e para Abraão, obediência a Deus.

Devemos fazer uma pergunta a nós mesmos: “Para quem estou apresentando meu sacrifício? Para homens, para a instituição Igreja Universal do Reino de Deus ou verdadeiramente para Deus?”

Em suma: o sacrifício está no DNA daqueles que são nascidos de Deus.

“Quando oferecerdes sacrifício pacífico ao SENHOR, oferecê-lo-eis para que sejais aceitos.” (Levítico 19:5)

“Quando alguém oferecer sacrifício pacífico ao SENHOR, quer em cumprimento de voto ou como oferta voluntária, do gado ou do rebanho, o animal deve ser sem defeito para ser aceitável. Nele, não haverá defeito nenhum.”(Levítico 22:21)

“Então, haverá um lugar que escolherá o SENHOR, vosso Deus, para ali fazer habitar o seu nome; a esse lugar fareis chegar tudo o que vos ordeno: os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta das vossas mãos, e toda escolha dos vossos votos feitos ao SENHOR” (Deuteronômio 12:11)
A igreja do Senhor Jesus, infelizmente, está rachada ao meio. De um lado, um povo fraco e, do outro, um povo forte; de um lado, um povo vencedor e, do outro, um povo vencido. E isso porque de um lado temos um povo puro, mas covarde ao sacrifício e, do outro, um povo impuro, cheio de disposição para sacrificar. Quem dera tivéssemos um povo puro e cheio de disposição para sacrificar. Os testemunhos seriam inevitáveis.
“Todas as coisas são puras para os puros. Todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas.” (Tito 1:15)

DIA 13 DE DEZEMBRO É O DIA DE ATENDERMOS AO QUE DEUS ESTÁ NOS PEDINDO EM TODOS OS ALTARES DA IGREJA UNIVERSAL, NO BRASIL E NO MUNDO.

NA FÉ,

Obreiro Marcos
Ribeirão Preto (SP)

Nada a Perder 3
Palavra Amiga
Idiomas
Pesquise outros posts
Clique em curtir e seja um Fã no Facebook
Assine nossa newsletter!
Cadastre-se e receba diariamente todas as novidades do blog:
* obrigatório
Universal.org
Siga-me no Twitter
Canais Oficiais
Ganhe almas! Divulgue no seu site
 
O pão nosso para 365 dias
arcacenter.com.br
www.bispomacedo.com.br - © Copyright 2014 - Blog do Bispo Edir Macedo