"Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade."
1
nov2010

A relação entre Jesus Cristo e o Templo

Como já foi explicado anteriormente, o Tabernáculo e o Templo de Salomão (o primeiro Templo), bem como o homem, são compostos por três partes principais: o pátio, o Santo Lugar e o Santo dos Santos. Desta forma, não há como não falarmos sobre o Senhor Jesus sem falar do Templo. A relação entre ambos é tamanha que é impossível dissociar, visto que o Templo fora todo planejado a fim de representar a salvação por meio de Jesus Cristo. Para entender melhor, vamos aos fatos.

Sempre que o Tabernáculo era montado, a cada vez que o povo de Israel parava no deserto, ele era organizado de dentro para fora, ou seja, a primeira parte a ser armada era o Santo dos Santos, e assim por diante os elementos eram dispostos até chegar ao átrio. Isso significa dizer que Deus inicia Seu tratamento espiritual em nós a partir de dentro, daquilo que temos de mais interior: o espírito. É interessante frisar também que as divisões do Templo correspondem às partes referentes ao ser humano, a saber: o corpo, a alma e o espírito.

Observando o gráfico acima, percebemos que o pátio (A) era composto pela porta, o altar e a pia. Essa relação significa que todo o Templo fora construído já se pensando na presença do Senhor Jesus. Ou seja, a porta, local por onde temos acesso aos lugares, inclusive no Templo, representa Jesus. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens João 10:9.

Isso significa que assim como temos acesso ao Templo, entrando por uma porta, para termos acesso a Deus, temos de entrar pela Porta chamada Jesus.  Pelo mesmo gráfico, é possível observar que da porta até o Santo Lugar (B), forma-se uma cruz (trajeto em vermelho, da porta até o Altar de incenso) e, acima dela, onde está o Santo dos Santos (C), encontra-se a Arca da Aliança (em amarelo), que simboliza a presença de Deus.

A porta do Templo simboliza Jesus Cristo e sacrifício (veja no gráfico). Por meio do Seu sacrifício de morte por cruz, passamos a ter acesso não apenas no Santo Lugar, visto que o véu se rasgou, mas à salvação. Porém, cada pessoa que decide entrar por esta Porta deve, tal qual Jesus, realizar seu sacrifício diário para obter a salvação. Ou seja, assim que entramos pela Porta, deixamos o mundo para trás e abandonamos nossas próprias convicções, vontades e desejos carnais.

Dado este passo, vem o segundo, que é o Altar (observe no gráfico, que é o primeiro lugar depois da porta). Assim que entramos pela Porta, vamos de encontro ao Altar, onde temos a oportunidade de morrer para a vida, a fim de vivermos uma nova com Deus. No altar havia o sacrifício de animais, que desprendiam um cheiro, que para Deus era como o de incenso. Assim também acontece conosco quando sacrificamos nossa vida no Altar. O cheiro que exala de nossa vida, a saber, o bom perfume que passamos a ter após o encontro com Deus, O agrada sobremaneira. Assim queimarás todo o carneiro sobre o altar; é um holocausto para o Senhor, cheiro suave; uma oferta queimada ao Senhor (Êxodo 29:18)

Quando saímos dali, encontramos a pia. Nela, após termos um verdadeiro Encontro com Deus, o primeiro desejo que nos vêm é o do batismo nas águas. Por meio dele, consolidamos a nossa morte, para ressurgirmos lavados dos nossos pecados e limpos de toda a impureza. De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida Romanos 6:4

Perceba a importância da organização interior do Templo de Salomão. Todo ele foi pensado e construído com o propósito da salvação através do Senhor Jesus. No pátio, por exemplo, (onde fica o altar e a pia), não havia cobertura. Significa dizer que o cristão que passa pela porta (Jesus), sacrifica suas vontades (no Altar) e em seguida se batiza (na Pia), ainda permanece no pátio, ficando exposto a todos os tipos de variações de clima e temperatura. Ou seja, por estar desprotegido, pode, facilmente, receber trovoadas, chuvas e vendavais de problemas. Algo que todo cristão tende a passar naturalmente, assim que aceita Jesus como seu único Senhor e Salvador.

Então, após o cristão passar por todas essas tribulações, ele entra no Santo Lugar, que representa a nossa alma. Neste momento, o nascido de Deus busca obter uma aproximação maior com o Criador. Assim, ele participa e come dos pães, que é a Palavra de Deus e a representação do próprio Senhor Jesus, e se sacia do Espírito Santo, que está tipificado na Menorá ou Candelabro (Leia Zacarias 4:6). Desta forma, o cristão pode se considerar apto a participar do Altar do Incenso, que nada mais é do que a oração.

Isso não quer dizer que a pessoa que não possui o Espírito Santo esteja impedida de orar, mas significa que é neste momento de aproximação e intimidade com Deus, representado no Santo Lugar, que as orações do cristão são realizadas com verdade, sinceridade e pelo Espírito Santo, haja vista ele não estar mais orando em favor de seus desejos ou vontades carnais, mas segundo a vontade de Deus.

Note que existe uma diferença muito grande entre as orações realizadas no pátio e no Santo Lugar. Enquanto que no primeiro oramos sem entendimento e de acordo com nossas vontades, no segundo, oramos com temor, reverência e desejando satisfazer os desejos do coração do Pai.

Sendo assim, finalmente, após o cristão passar por todo este caminho espiritual, chega o momento de ele adentrar no Santíssimo Lugar ou no Santo dos Santos (C). Neste local, há somente a Arca da Aliança, representando a presença de Deus. O que aprendemos com isso, então, é que com o sacrifício de Jesus, podemos ter acesso a Ele, mas, se nós também não sacrificarmos a nossa vida em prol da Sua, não conseguiremos chegar até o Santíssimo Lugar e, tampouco, alcançaremos a salvação eterna.

Portanto, se almejamos salvar a nossa alma, devemos observar o exemplo do Senhor Jesus para todos nós, que foi e é o de sacrificar. Como podemos ver no gráfico, o sacrifício está na porta, nos dizendo que somente por este meio existe a possibilidade de chegarmos até Deus.

Veja também:

- Construção do Segundo Templo
-
Destruição do Primeiro Templo
- Templo de Salomão
-
Tabernáculos, a Arca e o desejo de Davi de construir o Templo
- Reunião de Lançamento da Pedra Fundamental
- Milagre do Templo
- Judeus e cristãos unidos na construção do Templo
- O Templo
- Notícia da construção repercute pelo mundo
- Projeto do Templo da IURD
- Suor, sangue e lágrimas
- Lançamento da pedra fundamental do Templo - Fotos

31
mar2010

Mundo Cão

cruz

Vivemos num mundo de ilusões e mentiras. Hollywood que o diga. Sua influência alimenta corações de fantasias e os dirige ao engano. Some-se a isso a multiplicidade de religiões. Cada uma, em nome da boa fé, busca seus próprios interesses. Daí a dificuldade em saber o que é certo e o errado, o bem e o mal. Por conta disso, vêm as escolhas erradas.

Por outro lado, as pessoas sinceras e de boa índole têm sede. Sede de amor puro e verdadeiro; sede de justiça, da verdade e do futuro de suas almas. Para elas, o Senhor prometeu derramar Seu Espírito a fim de guiá-las em todas áreas de sua vida: espiritual, emocional e física. Primeiro, espiritual; depois sentimental e, finalmente, físico. Tal sequência é de fundamental importância na conquista da felicidade. Primeiro o Reino de Deus.

Tem sido normal buscar-se primeiro a solução dos problemas circunstanciais, tais como familiar, sentimental, econômico ou saúde. A princípio, pela fé, tudo isso é possível ser resolvido. Mesmo que não se tenha qualquer compromisso com Deus. Mas não garante a plenitude de vida prometida. Porque isso só acontece após o encontro com Deus. Jesus ressuscitou Lázaro, mas depois ele voltou a morrer. Saciou a fome de 20 mil pessoas, mas depois tiveram fome novamente. Quer dizer, os problemas circunstanciais podem ser solucionados através da fé, mas depois virão outros e mais outros.

Quem quiser alcançar a plenitude de vida tem de sujeitar-se ao senhorio de Jesus acima de tudo.  Do contrário, nunca será feliz.

30
dez2008

Fogueira Santa de Israel 2008 – Montes da Fé – Parte 1

Aqui esta o vídeo do primeiro clamor feito em Israel.

13
nov2008

Os Amantes

Tenho me perguntado: Por que há tantos crentes caídos ou fracassados?

Não crêem em Jesus? Não crêem na Bíblia? Não dizem ter o Espírito Santo?

Então, por que têm vivido como sal insípido?

Jesus disse: "…se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor?" (Mt. 5.13)

Eles estão espalhados pelos quatro cantos da Terra. Não há um só lugar que tenho visitado que não encontre sal insípido!

Mas por quê???

A resposta encontrada até agora é: Porque eles nunca se casaram com o Senhor Jesus…

Aceitaram-No muitas e muitas vezes. Mas nunca, jamais se entregaram de fato e de verdade.

Sabe como são os amantes?

Eles se juntam à noite, de vez em quando, mas não se comprometem porque querem ser livres para curtir as aspirações da carne.

Assim também o fazem em relação ao Senhor Jesus. Crêem nEle e isso tem sido suficiente, prático e muuuito confortável.

Mas quando a coisa aperta, correm para a igreja. E se não acham a solução, correm para outra. E vivem assim, como passarinhos, pousando de árvore em árvore buscando resultados.

E o pior é que conhecem bem a Bíblia e ainda tentam ensiná-la aos novatos…

Mas, como sal insípidos, como lhes restaurar o sabor???

Palavra Amiga
Idiomas
Nada a Perder 3
Pesquise outros posts
Clique em curtir e seja um Fã no Facebook
Assine nossa newsletter!
Cadastre-se e receba diariamente todas as novidades do blog:
* obrigatório
Universal.org
Siga-me no Twitter
Canais Oficiais
Ganhe almas! Divulgue no seu site
 
O pão nosso para 365 dias
arcacenter.com.br
Últimos Comentários
www.bispomacedo.com.br - © Copyright 2014 - Blog do Bispo Edir Macedo