"Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade."
17
mar2010

Carta de perdão ao bispo Macedo

Bispo Macedo!

Meu nome é Mara, e espero ardentemente que esse e-mail chegue até o senhor. Conheci o trabalho da Igreja Universal há mais ou menos 10 anos. Eu participava das correntes, frequentava uma ou duas vezes por semana, tudo dependia do propósito presente. Obtive bençãos, dava ofertas e também o dízimo, do meu jeito. Mas tudo com muita reserva, muita precaução, apenas como ouvinte. Só não queria compromisso.

Há mais ou menos um ano e meio, resolvi colocar minha vida no altar e me entregar verdadeiramente, 100 % sob a Palavra de Deus.

Oh, Bispo! Tudo começou a acontecer em minha vida, incluindo nisso até o senhor, que nem sabe da minha existência. Nem mesmo eu imaginava que há um ano e meio estaria aqui escrevendo ao senhor.

Tudo aconteceu quando resolvi sacrificar na Campanha Monte Sinai. Sacrifiquei, de verdade, o meu tudo. O senhor sabe como é. Fui curada de uma doença nos ossos, que não tem cura. Era uma dor insuportável. Ela simplesmente passeava pelo corpo. A cada minuto, cada segundo estava em um lugar diferente. Eu sentia muitas dores. A doença é chamada de Fibromialgia. Tomei remédios muito fortes, fiz vários tratamentos, fiquei de cama por algum tempo e os médicos diziam que era assim mesmo e que tinha que aprender a conviver com a dor. Convivi com ela por mais ou menos 8 anos de luta. Também tinha um problema de intestino.

Deus me curou e restaurou minha saúde. Engraçado é que quando percebi já estava curada. E assim Deus continuou trabalhando: livrou meu filho da morte, de um acidente onde o carro virou uma sanfona. Só ficou intacto o lugar onde ele estava, ao volante. Nem mesmo a polícia acreditou no que havia acontecido.

Já morando na Flórida (Estados Unidos), frequentando a Igreja em Orlando, sob os cuidados espirituais do pastor, fui liberta e meu marido também. Hoje, temos o Espírito Santo, somos obreiros e a minha família está na presença de Deus. No dia 7 de março, na Igreja em Orlando, em um determinado momento do culto, eu estava orando e o pastor Jean me chamou e disse: “A senhora vai dar um testemunho.” Eu respondi: “Eu?” Ele disse: “Éeeee!” Pensei: “É agora!” Ele então me chamou para ir até a frente do altar, onde estava o "bispo Macedo". É aí onde entra o senhor!

Sabe, bispo, durante uma parte da minha vida eu tinha verdadeira aversão ao senhor. Não podia sequer ouvir falar o seu nome. Eu me referia ao senhor de corrupto a outras coisas. Me lembro que eu dizia assim: “Não posso nem ouvir a sua voz”, e daí para pior! Há alguns anos, o senhor esteve em Elizabeth, New Jersey, perto de onde morávamos. Minha filha disse: “Vamos, mãe? Vai ser uma tarde de bênçãos. O bispo vai estar conosco!” Eu respondi: “Você ficou louca? Vou sair da minha casa, do meu conforto para encarar uma multidão, para ver o bispo Macedo? Para ver bispo Macedo... kkkkk... até parece! Quem ele pensa que é?”

Detalhe: uma das bênçãos que obtive foi minha filha vir para a Universal, onde ela já esta há muitos anos. Meu problema não era a Igreja, e sim o bispo Macedo. Pelo menos era o que eu achava.

Voltando ao testemunho, fiquei ali parada, segurei a mão do meu marido e subimos no altar. Quando cheguei perto do senhor, aconteceu algo que realmente não esperava. Não conseguia falar. A minha voz não saía. Ouvia o senhor perguntar, mas não conseguia responder. O que respondia, mal se entendia. Sabe por quê? A presença do Espírito Santo era muito forte, avassaladora. A certeza que estava dentro do meu coração era muito forte. A certeza da sua unção, a certeza de que o senhor é um escolhido de Deus. O Espírito Santo estava respondendo às minhas orações, em que sempre pedi que me mostrasse. Só não esperava que fosse naquele momento e muito menos diante do senhor. Eu não conseguia reagir. Fiquei completamente anestesiada. Foi um êxtase completo; foi muito forte. A vontade de pedir perdão era muito grande, mas não sabia se poderia fazê-lo ali naquela hora, por isso, não consegui dar o meu testemunho. Fiquei inconformada, chorei, fui para casa. Passou o dia e não me conformava. Sentei à noite e resolvi escrever para o senhor.

Hoje, lhe peço perdão e que o senhor possa me perdoar das pedras que atirei no senhor, sem mesmo lhe conhecer e sem mesmo nunca ter ouvido a sua voz.

Agradeço a Deus a oportunidade que Ele me deu e tem me dado. São poucos que verdadeiramente têm essa oportunidade que tive. Obrigada, bispo Edir Macedo, por ter se colocado como barro nas mãos do oleiro, porque só nós temos ganhado com isso.

Perdão!!!
Obrigada, Espírito Santo, pela oportunidade e por tantas bênçãos. Que Deus o abençoe cada vez mais.

Mara Lucia
IURD Orlando

14
mar2010

Carta de uma ex-membro da Igreja Mundial

Voltei para a IURD há 1 mês.  Meu esposo e eu nos conhecemos na Igreja Universal; eu cresci na IURD e nunca fui para o mundo. Me casei e depois de 2 anos meu esposo decidiu ir para a Mundial. Fomos levantados obreiros lá. Eu fui por submissão, a princípio estava me sentindo bem, mas minha vida espiritual foi caindo a cada dia que se passava.

Decorridos quase 2 dois anos, eu já estava como membro só para agradá-lo. Continuava indo com ele, porém eu estava muito mal, espiritualmente falando. Começaram a aparecer problemas de saúde que nunca tive, sempre tomando remédios, mas continuava quietinha, acompanhando o meu esposo, que está como obreiro.

Este ano, no final de janeiro, decidi pela minha vida e voltei para a Universal, sozinha. Meu marido concordou, mas no fundo ele não quer que eu vá, pois me critica todos os dias. Quer que eu vá com ele lá na Mundial e disse que não está contente com essa situação. Muitas vezes, ele me trata muito mal, é áspero nas palavras e me humilha na frente de meus pais e de seus parentes, gritando comigo se eu vacilar em alguma palavra ou atitude.

Estou feliz, pois me reencontrei com o Senhor Jesus. Fui curada, e eu nem sabia mais o que era ter a presença de Deus e dizer "Eu te amo Jesus". E estou indo terça, quarta e domingo e há dois  domingos fui renovada pelo Espírito Santo, falando em línguas, o que não acontecia havia 2 anos.

Estou feliz, mas a pressão está aumentando a cada dia, e muito. Até trocou o bispo da Igreja Mundial na minha cidade e veio um que meu marido gosta muito, pois foi o que o consagrou a obreiro. Não sei o que fazer - estou orando - não sei se isso que está no meu marido é demônio ou coisa dele, pois ele não era assim quando ia comigo na Universal. Ele sempre foi muito manso, mas agora é cheio de "razão". Eu nunca posso opinar nada, pois já tenho medo de falar algo e ele vir com grosseria.

Eu me esforço para ser uma esposa virtuosa, trabalho fora (emprego abençoado. Às vezes, ganho mais que ele) e deixo a casa linda para o meu esposo. Cozinho, faço do bom e do melhor, dou carinho e sempre foi assim, tratei ele a pão-de-ló. Prefiro fazer as coisas para ele antes e deixar as minhas ou eu em segundo plano.  Acho que a cada dia eu me anulo mais e me dedico mais e mais, porém a minha salvação e a minha vida com Deus estão em primeiro lugar.

Estou lutando, não pretendo retroceder. Será que estou agindo de forma correta? Até que ponto devo ser submissa?

Obrigada pela sua atenção.

RESPOSTA:

A submissão da mulher para com seu marido não pode ser considerada sem limites.  A submissão somente deve ser ilimitada quando se trata do relacionamento com o Senhor Jesus Cristo. Ele é o Senhor!

Imagine se o marido incrédulo exige que sua mulher abandone ou negue sua fé no Senhor Jesus. Ela terá de fazê-lo só para cumprir sua obrigação de submissa? É claro que não!

Portanto, há que se usar a fé com bom senso e equilíbrio para não entristecer o Espírito Santo.

Deus a abençoe abundantemente.

5
mar2010

Carta ao aflito

1

Diariamente, tenho visitado meu blog. Tenho lido seus comentários e participado das alegrias de muitos e me angustiado com as tristezas e situações difíceis de outros. Ah! Quem me dera poder resolver seus problemas e sanar as dúvidas! Contudo, estou absolutamente seguro de que o meu Deus, segundo a Sua fidelidade e misericórdia, tem cuidado de cada um de nós. Nem sempre Ele responde no momento da aflição. Mas sempre está presente para nos sustentar.

Vejam Sua atenção, carinho e consideração nessas palavras: “Quantas vezes Eu quis reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!” (Mateus 23.37)

Sei que não é fácil administrar os problemas diários. Entretanto, temos aprendido muito que, quaisquer que sejam as dificuldades enfrentadas, Seu Espírito é conosco. E tudo coopera mesmo para o bem daqueles que O amam.

Todos os nomes, incluindo dos que me criticam e odeiam, têm sido apresentados a Deus em minhas orações diárias. Tão somente fiquem firmes, porque o choro pode durar uma noite inteira, mas a alegria vem pela manhã. Se não veio nesta manhã, virá na manhã seguinte.

“Porque a visão (promessa) ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará.” (Habacuque 2.3)

Sejam abençoados em o Nome do Senhor Jesus Cristo.

2
fev2010

Carta de um filho na fé

Oi bispo,

Tudo bem com o senhor?

Fiquei muitissimo feliz de o senhor me permitir lhe escrever. Mas, eu nem sei o que escrever. Vem um monte de coisas na cabeça.

Escutei a reunião do senhor, de domingo, e me emocionei muito. É isso que acredito da Igreja Universal, uma fé sem igual e um amor inexistente neste mundo.

Quando eu era pequeno, o meu pai saiu de casa, como o senhor sabe, e nossa vida virou uma desgraça em tudo. Ninguém nos ajudou. Tivemos poucos, muito poucos, que até tentaram, mas não tinham condições, não tinham amor, não tinham paciência, não tinham Deus.

Ninguém conseguia nos ajudar. Procuramos ajuda de muitos: igrejas, espiritualistas, familiares, até no cemitério ia com minha mãe acender vela para o meu avô falecido.

As coisas só ficavam pior e aí que não tinha mesmo ninguém para nos ajudar. Todo mundo tem seus problemas e não querem saber do problema dos outros.

Foi então que fomos à Igreja Universal, em Pinheiros (São Paulo) e ali havia pastores que tinham paciência para nos ouvir e, o melhor de tudo, FÉ para lutar por nós. Foi através dessa fé que conheci o amor de Deus e o ódio do diabo.

Ao ouvir a oração do senhor em relação a humilhações e dor que o senhor e o povo passaram/passam, e lembrar de tudo que o senhor enfrentou de perseguições, desafios, e ainda mais ouvir o senhor dizer que não sabe o que fazer mais e até pedir que Deus tire a vida do senhor como se fosse um favor ao senhor, ah não bispo, isso não pode acontecer!

Se o senhor não sabe o que fazer, imagine eu? Eu sei que Deus dá direção para o senhor e todos nós precisamos do senhor. Claro que precisamos de Deus, mas só o senhor, através da Igreja Universal, nos leva a Deus. Não existe (que eu conheça) outra obra que nos leve a Deus.

Quando falo com minha mãe ou minhas irmãs (ainda falta uma tomar jeito), eu vejo o que o senhor fez por nós: nos levou a Deus!

Somente pelo fato de ter nos ajudado, já considero o senhor vencedor e perfeito.

Bispo, existem outras milhões de pessoas, como eu e minha família, que precisam do senhor para guiá-las ao Senhor Jesus!

Obrigado por, mesmo em meio a dificuldades, perseguições e calúnias, ter nos ajudado.

Oro sempre por toda a família do senhor: dona Ester, bp. Renato, dona Cristiane, bp Julio, dona Viviane, o Moisés. Só as vezes eu esqueço de mencionar o neto do senhor (rs). Assim, eu sei que pode acontecer de tudo no mundo, mas existe um homem de Deus.

Aqui, o trabalho vai seguindo. São muitas coisas para aprender. O que falta de experiência, a gente leva na fé e na misericordia de Deus até aprender, não é? E Deus tem abençoado a nossa vontade de ver as pessoas serem salvas, trazendo mais e mais pessoas.

Em breve, teremos mais uma igreja aberta. Falta detalhes.

Aprendi muito com o bp Renato e o bp Julio (e ainda aprendo, pois sempre me mandam as direções) e com o bp Pedro, que está agora na Inglaterra. As reuniões dele são muito legais. Até esquiar na neve ele me ensinou, é mole? Só na IURD.

Fica com Jesus, bispo, e um forte abraço meu.

Nós amamos Jesus e o senhor!

Guilherme, da Irlanda

27
dez2009

Carta ao Sofrido

terra

No princípio, Deus criou os céus e a Terra. A Terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava sobre as águas.

Talvez a vida do leitor seja também sem forma e vazia. Isto é, sem nenhuma realização pessoal e vazia de objetivos. Vazia de amor, de alegria, de sonhos e até de fé. Mas, sobrecarregada de depressão. Entretanto, como no início da criação, o Espírito de Deus também está sobre você. Não importa o que você fez ou deixou de fazer. Ele espera seu convite para transformá-lo para uma nova vida, a exemplo do que fez na Terra.

Talvez você venha carregando um peso do passado triste. Mágoas, rancores, ódio e desejo de vingança. O que é que você tem feito ou vai fazer com esse peso? Qual o lucro que isso lhe tem dado? Jogue isso fora e convide o Espírito da Vida, agora mesmo, a fazer morada no seu corpo!

Onde quer que você esteja, não importa. Ele se mantém sobre a sua cabeça. Procure um lugar privado, talvez o banheiro, e converse com Ele. Se a sua fala com Ele for sincera, tão certo como Ele existe, irá lhe responder imediatamente. E seu ano novo será diferente de tudo o que você já viu!

22
fev2009

Uma Carta do Seu Melhor Amigo, Vinda do Inferno

E se você recebesse uma carta do seu melhor amigo, que está no inferno? Assista a este vídeo muito interessante que eu quero compartilhar com vocês:

 

Palavra Amiga
Idiomas
Pesquise outros posts
Clique em curtir e seja um Fã no Facebook
Assine nossa newsletter!
Cadastre-se e receba diariamente todas as novidades do blog:
* obrigatório
Universal.org
Siga-me no Twitter
Canais Oficiais
Ganhe almas! Divulgue no seu site
 
O pão nosso para 365 dias
arcacenter.com.br
Últimos Comentários
Site do Templo
Anúncios
www.bispomacedo.com.br - © Copyright 2014 - Blog do Bispo Edir Macedo