"Não escolhemos vir ao mundo, mas temos o direito de escolher onde viver a eternidade."

Author Archives: Bispo Edir Macedo

About Bispo Edir Macedo

Fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, casado com Ester Bezerra há 41 anos. Escritor com mais de 10 milhões de livros vendidos, divididos em 34 títulos. Possui doutorado em Teologia, Filosofia Cristã e Honoris Causa em Divindade, além do mestrado em Ciências Teológicas na Federación Evangélica Española de Entidades Religiosas.
22
jan2010

Como superar os maus pensamentos

21
jan2010

Fé Arrojada

alto

A fé agradável a Deus é arrojada, mas jamais arrogante. Antes, tem como ingredientes a obediência e a humildade. Abraão foi o exemplo de fé.  Mas sua fé o justificou devido a sua obediência à Palavra Divina. Só os obedientes são humildes e os humildes são obedientes. Conclui-se, então, que a fé sobrenatural, inteligente, prática e que produz benefícios é acompanhada pela humildade.

Ai está a enorme diferença entre os reis Saul e Davi. Saul não foi humilde para obedecer a Deus. Sua desobediência custou-lhe a vida. No momento em que se viu apertado por uma situação de vida ou morte, preferiu se lançar sobre sua espada ao invés de buscar a compaixão Divina.  O mesmo aconteceu na zona sul do Rio de Janeiro. Um chefe de família, apertado pela situação econômica e não suportando a humilhação diante de seu círculo social, matou a mulher e duas filhas adolescentes e, em seguida, suicidou-se.

Davi era convicto que, por mais sujo e miserável que fosse, ainda assim poderia contar com a compaixão de Deus. Sua fé arrojada, mas humilde, o salvou.

A verdadeira humildade, a humildade de espírito, mantém aberta a porta de acesso ao Trono do Altíssimo.

Por conta disso, Ele promete: “Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” (Isaías 57.15)

19
jan2010

Testemunho

Meu nome é Rosana Vaz Wolters, tenho 44 anos e esta é minha história:

Aos 3 anos de idade, minha mãe se separou de meu pai, que, por ser alcoólatra, já não era presente e tampouco ajudava com as despesas da casa. Com muito esforço, minha mãe criava os três filhos sozinha. Apesar da dificuldade financeira, me lembro de uma infância feliz.

Quando eu tinha 7 anos, minha mãe se casou de novo. Seu novo marido era um homem muito agressivo e nervoso. Qualquer coisa o tirava do sério e, como consequência, as brigas eram constantes dentro de casa. Por não suportar o clima tenso, eu sempre dava um jeito de dormir na casa de uma amiga a fim de escapar da minha realidade.

No início da minha adolescência, eu fui rigorosamente contra as drogas, cigarros e bebida alcoólica, porém, com o passar do tempo, cedi à pressão dos amigos, comecei a fumar, beber e, quando me dei conta, já estava fumando maconha.

Após um sério desentendimento com meu padrasto, resolvi não mais voltar para casa. Fui, então, morar de favor até que eu pudesse ter meu próprio lugar.

Naquela época, o meu presente estava péssimo. Como eu não queria mais lembrar o passado, resolvi querer saber do futuro. Como consequência, fui a uma cartomante. Durante a consulta, ela descreveu o meu passado em detalhes. Isso logo me impressionou muito, pois eu jamais a havia visto. Obviamente, vim a saber depois, que, na verdade, eu estava tendo uma consulta com um espírito imundo, por isso, ela sabia de tudo. O causador da destruição no passado estava ali a falar comigo através daquela senhora. Como resultado, resolvi sair do Brasil, pedi demissão de um trabalho promissor e fui, primeiramente, para a Espanha e depois para Londres, na Inglaterra.

Na Europa, o acesso a diversas culturas e religiões é enorme. Em pouco tempo, eu estava me aprofundando em filosofias religiosas que pregavam o carma e a reencarnação. Grande era o meu engano porque a Palavra de Deus nos diz que: “… ao homem está ordenado morrer somente uma vez, depois disto vem o juízo.” (Hebreus 9:27)

Creio que um dos maiores enganos de certas filosofias é nos fazer acreditar que somente Deus e o céu existem, mas que o inferno e o diabo são figuras fictícias, quase que folclóricas, porque, uma vez que cremos somente na existência de Deus e do céu, não sentimos necessidade de sermos salvos.  Salvos de quê? Eu sempre me perguntava quando alguém me falava que eu estava perdida e necessitava de salvação. Contudo, a Bíblia descreve o inferno em detalhes e nos alerta contra o pai da mentira e o inimigo de nossas almas.

Em Londres, experimentei drogas novas como haxixe e LSD, além de diferentes tipos de maconha de laboratório. Com o tempo, passei a fumar todos os dias e, assim, ia gastando tudo que ganhava com drogas, shows, bebidas e cigarros.

Depois de forçadas economias, me mudei para a Austrália. Lá, experimentei ecstasy e cocaína. Seguia sem muito relacionamento com a minha família. Falar com eles era lembrar o que eu lutava para esquecer.

Durante a minha estadia na Austrália, que foi de 3 anos e 5 meses, eu conheci Junior Marvin, o líder e vocalista de uma banda de reggae chamada The Wailers – a banda que acompanhou Bob Marley durante 14 anos (só menciono o nome dele porque ele me permitiu).

O brilho do palco e a possibilidade de possuir qualquer tipo de fama me encantaram. No verão de 1995, viajei com ele por toda a Europa. Eu amava participar do assédio dos fãs, entrevistas e toda a atenção dispensada a ele. Mal eu sabia que tudo era e é ilusão.

Naquele mesmo ano, me casei com o Junior e engravidei. Lembro-me de pensar: “Como vai ser agora que terei que dar um tempo nas drogas?” O medo de encarar a minha realidade sem qualquer tipo de anestesia era muito grande.

Seis meses após o nascimento da minha filha, fui morar no Brasil para ficar perto da minha família, em Goiânia. Minha mãe havia se convertido, mas meu orgulho não permitia que eu frequentasse sua casa, pois, apesar de eu seguir filosofias que pregavam a paz interior, o perdão, a calma e tranquilidade, bastava eu colocar os olhos no meu padrasto que eu logo ficava transtornada. Ele, por sua vez, me recebia de braços abertos e se entristecia pelo fato de eu não permitir que ele ficasse com a minha filha.  Assim, ficou para mim constatado que as tais filosofias religiosas que eu tanto lia a respeito de nada valiam. Eu ainda era escrava do ódio, da mágoa, do ressentimento e do orgulho.

Levada pelo meu irmão e sua sogra, assim cheguei à Igreja Universal, morando de favor, sem emprego, sem carro, com uma filha de 9 meses pra criar, casamento fracassado, cheia de mágoa, rancor, sofrendo de úlcera no estômago, ataques de pânico, fumando maconha, cigarro e dependente de álcool.

A primeira reunião que assisti foi de libertação, com o então pastor e agora bispo Marcus Silva.  Apesar de não entender muito o que estava acontecendo eu percebi imediatamente que ali havia um poder diferente. Vi pessoas sendo verdadeiramente libertas através da oração do pastor. Entendi que eu, mais do que todos aqueles que eu culpava por minhas amarguras, necessitava de libertação urgente. Para assombro da minha família, que me considerava a “ovelha negra”, eu permaneci na Universal. Era o início de uma nova vida.

Sou muito grata aos bispos, pastores e obreiros da IURD, em especial à D. Roseli, pois eu,  recém chegada à Igreja,  ao saber que ela era ex-mãe de santo, logo quis conversar com  ela.

Pelo fato de eu ainda não estar liberta, na verdade, estava em busca de uma palavra de revelação, pois eu havia visto, em outras igrejas, algumas pessoas que, em nome de Deus, faziam algo muito semelhante ao que as  cartomantes que eu consultava faziam, logo, eu  havia encontrado um paliativo para o meu vício de cartomancia.

Porém, para meu embaraço, a resposta dela era sempre a mesma: “O homem de Deus acabou de ensinar no altar o que você tem que fazer para mudar de vida. Você escutou o que ele falou?” Ela me perguntava. “Escutei”, eu respondia. “Então, por que você está aqui me perguntando tudo de novo? Você acha que a minha resposta vai ser diferente? Eu não sou mais mãe de santo e jamais retornarei para aquela vida, pois, se todo mundo tivesse a chance de ver o que eu vi, eles não brincariam nem um minuto com os assuntos de Deus, e viveriam o dia de hoje como se fosse o último, porque você nunca sabe quantos minutos tem de vida. Seja obediente, conserte-se com Deus, faça o que o pastor mandou e você vai ver a resposta em sua vida.” Assim, eu obedeci.

Apos alguns anos, me mudei para os Estados Unidos com a minha filha, comecei a trabalhar como faxineira e permaneci fiel.

Casei-me novamente. Meu marido, Alan Wolters, é um esposo e pai maravilhoso. Nossos filhos se dão super bem. Moramos em uma casa confortável, vivemos em paz e sem brigas.

Através da fidelidade nos dízimos e ofertas, Deus também tem nos prosperado. Hoje em dia, eu não faço mais faxina. Em menos de 1 ano, abrimos duas empresas, sendo uma delas a imobiliária para a qual eu um dia trabalhei. Temos carros de luxo, jantamos nos melhores lugares, enfim, tudo mudou.

Não posso deixar de mencionar que o meu relacionamento com a minha família foi transformado. Hoje, aquele que eu chamava de padrasto é meu pai. Não possuo mais nenhuma enfermidade ou vício.

Certa vez, quando eu ouvia o bispo Macedo falar na rádio, nos convidando a usar a nossa inteligência, ele dizia: “Minha amiga, você que acredita em cartomancia, acredita que o seu futuro está escrito na palma da mão, por favor, use a sua inteligência. E quem não tem mão? Não tem futuro?” Aquelas palavras ressoaram tão forte no meu espírito, que eu creio que uma das correntes que me amarrava foi quebrada.

Eu que me achava tão culta e inteligente e ali fui apresentada à minha ignorância. Não pude fazer outra coisa a não ser rir. Sem demora, entendi que eu precisava deixar de lado tudo que eu havia aprendido e começar de novo. Assim o fiz.

Na fé,

Rosana Wolters

17
jan2010

A Cega

blog17012010

Havia uma garota cega que se odiava pelo fato de ter nascida cega. Também odiava a todos, exceto seu namorado.

Um dia, ela disse que se pudesse ver o mundo se casaria com ele. Em um dia de sorte, alguém doou um par de olhos para ela, então, seu namorado lhe perguntou: “Agora que você pode ver, você se casa comigo?”

A garota estava chocada quando ela viu que seu namorado era cego. Ela disse: “ Eu sinto muito, mas não posso me casar com você porque você é .... cego.”

O namorado, afastando-se dela, em lágrimas, disse: “Por favor, apenas cuide bem dos meus olhos. Eles eram o melhor que eu tinha.“

Nunca despreze quem lhe ama. Às vezes, as pessoas fazem certos sacrifícios e nem consideramos. Não obstante Jesus ter doado Sua vida inteira, mesmo assim, a maioria O despreza.

15
jan2010

Reunião de Obreiros e Pastores – 15/01/2010

14
jan2010

Sublime Amor

13
jan2010

Sem Palavras

Sem palavras, a jovem artista expressa, com as mãos, a dor do povo ucraniano quando seu país foi invadido pelo sanguinário Hitler, que foi instrumento da igreja romana.

12
jan2010

Ex-mãe de santo pede perdão

O testemunho que segue abaixo foi responsável pela conversão e salvação de várias almas:

Nascida em Minas Gerais, no dia 10 de Fevereiro de 1941, Roseli Silva  sempre teve uma vida de muitas lutas.  Apesar de ter sido rejeitada no ventre e entregue à sua avó paterna para criação, Roseli cresceu saudável, sempre apta ao trabalho duro.

Aos 18 anos  ela se casou e em seguida  teve 3 filhos.  Depois de algum tempo, Roseli já tinha seu próprio centro e a cada dia sua dedicação aos espíritos imundos, cujos nomes não vale a pena mencionar, aumentava. Além de fazer os trabalhos espirituais, ela via, ouvia e conversava cara-a-cara com o que se intitulava chefe do inferno.

Apesar de nunca cobrar consulta, ela seguia fazendo trabalhos espirituais a fim de ajudar aqueles que a procuravam.

Até que um dia, assistindo ao noticiário da televisão, ela viu a reportagem sobre a prisão do bispo Edir Macedo. Indignada, achando que o bispo era culpado de todas as acusações, e que estava agindo de má fé para com outros, ela resolveu fazer um trabalho definitivo para matar o bispo, ali mesmo, dentro da prisão. Primeiramente, ela quis saber quais eram as verdadeiras intenções do bispo, suas ações no passado e no presente, a fim de ter certeza se ele era ou não culpado.

Caso fosse culpado, estava ordenada a morte dele em 3 horas; caso  fosse inocente, era para ele ser solto dentro das  mesmas 3 horas.  Suas ordens eram sempre seguidas à risca pelo diabo.

No entanto, algo inédito e muito curioso aconteceu. A vela que ela havia acendido não permanecia acesa. Ela a acendeu por 3 vezes e, apesar de não haver nenhuma  brisa,  a mesma continuava se apagando. Foi aí que, buscando respostas, ela perguntou ao diabo, que lhe apareceu frente-a-frente: “Por que a vela não permanece acesa e o tal do bispo ainda vive? Logo, o demônio, conhecido pelo nome de Lúcifer, respondeu: “Nele eu não posso tocar.”

“Como é que é?”,  perguntou ela. “Neste aí eu não posso tocar”, repetiu ele. “E por que não?” Perguntou novamente. “Por que ele é justo. Ele não está em falta.”

Ao reconhecer que havia Um que era maior do que aquele com o qual ela trabalhava, Roseli se indignou, porém o diabo continuou a falar: “E, tem mais, eu vim aqui também pela última vez te dar um recado. De hoje em diante, não tenho mais nada contigo e quando você for para aquela Igreja, que eu odeio, e colocar aquele uniforme de sangue, eu estarei te vigiando porque no seu primeiro deslize, eu  te pego, pois a coisa que eu mais detesto é perder uma alma para o Grande.” Em seguida ela respondeu: “Pois, de hoje em diante, somos inimigos.”

Enquanto isso, sua assistente a chamava para informá-la que o homem para o qual ela havia feito o trabalho de morte havia sido solto. Assim foi confirmada para ela a inocência do bispo Macedo.

Logo, então, ela pediu que justiça fosse feita aos que tramaram contra ele.

Sem  perder tempo, Roseli se desfez de seus utensílios de macumba e, quando se deu conta, estava dentro de uma Igreja Universal, em Goiânia. Ainda sem entender muito o que acontecia, ela conta que dentro da Igreja havia muitos espíritos imundos, porém, eles não estavam tão atrevidos, dando ordens ou gritando. Ela observou que muitos deles estavam de joelhos, amarrados,  obedecendo ao que o pastor Israel estava ordenando.

Observou também que havia um dos chefes do inferno voando por cima do altar em volta do pastor. Ela, em sua simplicidade, começou a falar com aquele demônio e perguntou lhe: “Por que você não dá um chute na boca deste homem que esta falando estas coisas e  me aborrecendo tremendamente?” Ele respondeu: “Não posso.” “Por quê?” Ela seguiu perguntando. “Ele está de estômago vazio. Nada comeu ou bebeu. Até eu, se der um murro nele, o faço cair? Eu não posso tocar nele porque ele não está em falta. Porém, eu sei de tudo que ele gosta e vou colocar na porta, na saída da Igreja”, respondeu com muito ódio aquele que permanecia em volta do pastor.

Naquele dia, o processo de libertação de Roseli começou. Através de sua obediência à Palavra de Deus e aos conselhos dos pastores, ela perseverou em conhecer aquele Deus que protegeu o bispo de seu trabalho espiritual. Sua libertação não demorou muito e,  em pouco tempo, D. Roseli estava também batizada nas águas e no Espírito Santo.

Mesmo sabendo que Deus já havia perdoado os seus erros do passado, D. Roseli trazia dentro de si o sonho de pedir perdão ao bispo Macedo. Deus  realizou o seu sonho e, como mostram as imagens, ela teve a oportunidade de, pessoalmente, pedir o tão esperado perdão ao bispo Macedo, a quem, hoje em dia, ela constantemente ouve, ora por ele e sua família.

Hoje em dia, ela tem prazer de dar seu testemunho para ganhar almas para o Reino de Deus, sendo eu uma delas. Cheguei à Igreja enferma, viciada em álcool, drogas, cigarro, seguidora de várias seitas, e também viciada em cartomancia, sem dinheiro, sem trabalho e sem casa.

Hoje, estou liberta, saudável, bem casada, feliz e próspera, Graças a Deus!

Como diz a D. Roseli: “Da Igreja Universal jamais sairei. Mesmo que o Bispo Macedo saísse, o que é impossível, de lá eu jamais sairei porque conheço a verdade. Sei que estou viva devido ao esforço, dedicação e à obediência dele e de seus pastores à Palavra de Deus.

Por Rosana Wolters

11
jan2010

O Capim

capim

No curso de Medicina, o professor se dirige ao aluno e pergunta:

“Quantos rins nós temos?”

“Quatro!” Responde o aluno.

“Quatro?” Replica o professor, arrogante, daqueles que sentem prazer em tripudiar sobre os erros dos alunos.

“Traga um feixe de capim, pois temos um asno na sala”, ordena o professor a seu auxiliar.

“E para mim um cafezinho!” Replicou o aluno ao auxiliar do mestre.

O professor ficou irado e expulsou o aluno da sala. O aluno era, entretanto, o humorista Aparício Torelly Aporelly (1895-1971), mais conhecido como o “Barão de Itararé”.

Ao sair da sala, o aluno ainda teve a audácia de corrigir o furioso mestre:

“O senhor me perguntou quantos rins 'nós temos'. 'Nós' temos quatro: dois meus e dois seus. 'Nós' é uma expressão usada para o plural. Tenha um bom apetite e delicie-se com o capim.”

A vida exige muito mais compreensão do que conhecimento. Às vezes, as pessoas, por terem um pouco mais de conhecimento ou 'acreditarem' que o tem, se acham no direito de subestimar os outros.

E haja capim!!!

11
jan2010

O bispo responde – Orar por alguém no hospital

Pergunta:

Ola Bispo sou candidata a obreira na IURD , eu quero saber se é errado , quando a pessoa ainda não é obreira ,orar pelas pessoas nos hospitais?
Ana Paula Faria

Olá bispo, sou candidata a obreira na IURD, eu quero saber se é errado, quando a pessoa ainda não é obreira, orar pelas pessoas nos hospitais?

Ana Paula Faria

Resposta:

Ana Paula,

Eu não acho errado, eu acho um dever de todo cristão ajudar aos outros e, se no seu caso é orar por alguém no hospital, nada deveria lhe impedir. Vai na sua fé!

Obs: O espaço para comentários, é somente para comentários. Se você deseja alguma orientação envie para meu e-mail: falecom@bispomacedo.com.br

10
jan2010

Coração contrito

O mundo avalia as pessoas pelo que elas têm. Dinheiro, poder político, beleza, força, coragem, conhecimentos gerais, inteligência e coisas assim. Somente o exterior.
Mas Deus vê as pessoas pelo que elas são. Seu interior: o coração.
Tem sido um grande erro pensar que os pecados impedem a ação do Espírito de Deus. Se assim fosse, Jesus não teria feito tantos milagres no meio do povo. A bem da verdade, o vilão que tem emperrado a ação de Deus é a hipocrisia. O hipócrita não tem humildade para reconhecer seus erros. Por conta disso, além de manter-se longe de Deus ainda cobra dos demais a pureza que não tem.
Por outro lado, a Bíblia relata magníficos exemplos de pessoas cobertas de pecados e que alcançaram a compaixão Divina por conta apenas de um ato de sincera humildade.
Acabe foi um dos piores reis de Israel. Instigado por Jezabel, sua mulher, fez grandes abominações contra o Senhor, seguindo aos ídolos. Mas quando Elias profetizou o mal que viria sobre sua casa, imediatamente, ele se humilhou perante o Senhor. Rasgou suas vestes, cobriu-se de pano de saco e jejuou. E, como se não bastasse, dormia em sacos e andava cabisbaixo.
Sua atitude de fé prática mexeu o coração Deus. E a resposta veio logo. Disse o Senhor a Elias:
“Não viste que Acabe se humilha perante Mim? Portanto, visto que se humilha perante Mim, não trarei este mal nos seus dias…” ( I Reis 21:17-29)

blog10012010

O mundo avalia as pessoas pelo que elas têm. Dinheiro, poder político, beleza, força, coragem, conhecimentos gerais, inteligência e coisas assim. Somente o exterior.

Mas Deus vê as pessoas pelo que elas são. Seu interior: o coração.

Tem sido um grande erro pensar que os pecados impedem a ação do Espírito de Deus. Se assim fosse, Jesus não teria feito tantos milagres no meio do povo. A bem da verdade, o vilão que tem emperrado a ação de Deus é a hipocrisia. O hipócrita não tem humildade para reconhecer seus erros. Por conta disso, além de manter-se longe de Deus ainda cobra dos demais a pureza que não tem.

Por outro lado, a Bíblia relata magníficos exemplos de pessoas cobertas de pecados e que alcançaram a compaixão Divina por conta apenas de um ato de sincera humildade.

Acabe foi um dos piores reis de Israel. Instigado por Jezabel, sua mulher, fez grandes abominações contra o Senhor, seguindo aos ídolos. Mas quando Elias profetizou o mal que viria sobre sua casa, imediatamente, ele se humilhou perante o Senhor. Rasgou suas vestes, cobriu-se de pano de saco e jejuou. E, como se não bastasse, dormia em sacos e andava cabisbaixo.

Sua atitude de fé prática mexeu o coração Deus. E a resposta veio logo. Disse o Senhor a Elias:

“Não viste que Acabe se humilha perante Mim? Portanto, visto que se humilha perante Mim, não trarei este mal nos seus dias…” ( I Reis 21:17-29)

8
jan2010

O Sábio e a Borboleta

blog08012010

Havia um pai que morava com suas duas jovens filhas, meninas muito curiosas e inteligentes.

Suas filhas sempre lhe faziam muitas perguntas.

Algumas, ele sabia responder, outras, não fazia a mínima ideia da resposta.

Como pretendia oferecer a melhor educação para suas filhas, as enviou para passar as férias com um velho sábio que morava no alto de uma colina.

Este, por sua vez, respondia todas as perguntas sem hesitar.

Já muito impacientes com essa situação, pois constataram que o tal velho era realmente sábio, resolveram inventar uma pergunta que o sábio não saberia responder.

Passaram-se alguns dias e uma das meninas apareceu com uma linda borboleta azul e exclamou para a sua irmã:
“Desta vez, o sábio não vai saber a resposta!”
“O que você vai fazer?” Perguntou a outra menina.
“Tenho uma borboleta azul em minhas mãos. Vou perguntar para o sábio se a borboleta está viva ou morta. Se ele disser que ela está morta, vou abrir minhas mãos e deixá-la voar para o céu. Se ele disser que ela está viva, vou apertá-la rapidamente, esmagá-la e, assim, matá-la. Como consequência, qualquer resposta que o velho nos der vai estar errada.”

As duas meninas foram, então, ao encontro do sábio, que estava meditando sob um eucalipto na montanha.

A menina aproximou-se e perguntou se a borboleta em sua mão estava viva ou morta.

Calmamente o sábio sorriu e respondeu:
“Depende de você. Ela está em suas mãos.”

Assim é a nossa vida, o nosso presente e o nosso futuro.

Não devemos culpar ninguém porque algo deu errado.

O insucesso é apenas uma oportunidade de começar novamente com mais inteligência.

Somos nós os responsáveis por aquilo que conquistamos ou não.

Nossa vida está em nossas mãos, como uma borboleta azul.

Cabe a nós escolher o que fazer com ela, só a nós. Não deixe ninguém interferir nisso. Nunca!

Nada a Perder 3
Palavra Amiga
Idiomas
Pesquise outros posts
Clique em curtir e seja um Fã no Facebook
Assine nossa newsletter!
Cadastre-se e receba diariamente todas as novidades do blog:
* obrigatório
Universal.org
Siga-me no Twitter
Canais Oficiais
Ganhe almas! Divulgue no seu site
 
O pão nosso para 365 dias
arcacenter.com.br
Últimos Comentários
www.bispomacedo.com.br - © Copyright 2014 - Blog do Bispo Edir Macedo